Saude

Como em outras regiões da Amazônia longe dos grandes centros urbanos, no Rio Jauaperi a população vive em condições de grande isolamento, falta de apoio das instituições governamentais e negação do direito à assistência médica básica. O fortalecimento dos cuidados de saúde na região é uma das nossas prioridades.
 
A população local sofre essencialmente de patologias ligadas a condições ambientais como micose e infeções de pele, doenças gastrointestinais, lesões e hematomas, síndromes de gripe, inflamações urinárias e genitais, patologias dentárias causadas por falta de higiene bucal, infeções por picadas ou mordidas de animais. As doenças identificadas como prioritárias na área estão relacionadas à saúde materno-infantil, malária, higiene e saúde ambiental, cobertura vacinal e problemas odontológicos. Particularmente critica é a situação das crianças, que vivem em condições de pobreza econômica constante e escassez de bens materiais, sofrendo de deficiências nutricionais decorrentes de uma dieta pouco variada, patologias ligadas a condições higiênico-sanitárias e doenças exantemáticas.
 
Desde 2004, trabalhamos para garantir o acesso à água potável e o direito à saúde para todos os habitantes da região. Realizamos pequenos ambulatorios e, por meio do projeto Talia, oferecemos cursos de capacitação e oportunidades de emprego para os moradores locais, ações que hoje garantem a presença de profissionais de saúde especializados no rio. Organizamos missões de médicos voluntários e dentistas e apoiamos campanhas de vacinação em colaboração com a Secretaria Municipal de Saúde. Em colaboração com a Fundação Banco Farmacêutico, fornecemos medicamentos e instalações de saúde aos dispensários comunitários da região.
 
Com o projeto Agua Boa, instalamos 5 poços artesianos nas comunidades do Rio Jauaperi. O acesso a fontes de água potável é, de fato, indispensável para combater doenças relacionadas à contaminação da água, como geoelmintíase e parasitas intestinais, e garantir o bem-estar dos setores mais fracos da população (bebês, crianças e idosos). Para reduzir a poluição local e melhorar a qualidade da água, promovemos o uso de energia limpa e meios de transporte não poluentes, como motores elétricos.
 
A incidência de casos de malária, uma patologia endémica da região, diminuiu significativamente nos últimos anos, graças a uma campanha de saúde específica que permitiu o rastreio da população em geral, a identificação e o tratamento terapêutico de todos os surtos. A intervenção levou a uma redução de 90% nos casos, registrando apenas 13 episódios de malária em 2009 ao longo de todo o Rio Jauaperi e cada vez menos nos anos seguintes. A doença continua a ser monitorizada através da análise de amostras de sangue para identificar parasitas da malária e, a partir de 2012, há 0 a 3 casos por ano.
 
A partir de 2017 colaboramos com a organização brasileira Doutores das Águas que visita as comunidades com uma equipe médica itinerante oferecendo visitas especializadas, tratamentos gratuitos e medicamentos, próteses dentárias, vacinas e campanhas de educação em saúde para a população nativa, com atenção especial às crianças e mulheres.

 


Compartilhe




 


Home

Participe

Notícias
> Newsletters
Quem somos
> Contato
> Missão e visão
> Quem nos apoia
> Imprensa falando de nos
> CoopXixuaú
Onde estamos
> RESEX Jauaperi
Projetos
> Educação
> Conservação
> Pesquisa científica
> Transporte
> Energia solar e Internet
> Fortalecimento do Ecoturismo Comunitário
> Saude
Ecoturismo
Sala de imprensa
> Imagens
> Vídeos
> Sons