Campanha busca proteger populações amazônicas contra a Covid-19

Novos contágios e novas mortes ocorrem todos os dias no Brasil, mas a região amazônica é a região de maior risco. O vírus está se espalhando com grande velocidade, 90% dos municípios já foram afetados, mesmo no interior, em comunidades isoladas e em terras indígenas, onde ocorreram inúmeras mortes.
 
É impossível dizer exatamente quantos casos existem, milhares de contágios são relatados todos os dias, mas os números são subestimados porque a disponibilidade de tampões é escassa e a falta de comunicação com populações isoladas não permite um controle amplo.
 
Da pequena vila de Xixuaú, às margens do Rio Jauaperi, no coração da floresta, a bióloga italiana Emanuela Evangelista, presidente da Amazônia Onlus, organização que desde 2004 trabalha para oferecer saúde, capacitação, trabalho, renda e desenvolvimento sustentável aos habitantes, fala conosco.
 
"A pandemia na Amazônia ainda mostra crescimento exponencial, e sem uma ação imediata o impacto será desproporcional. O estado dos hospitais é dramático: faltam leitos, respiradores e suprimentos. As más condições sociais e econômicas da região e as grandes distâncias não estão ajudando a lidar com a emergência ".
 
A RESEX Baixo Rio Branco-Rio Jauaperi, no norte da Amazônia brasileira, abriga cerca de 1000 habitantes que residem em 14 comunidades às margens do rio, a 400 km da cidade mais próxima. As pequenas vilas são isoladas e acessíveis apenas de barco, não possuem comércio de alimentos, assistência médica ou medicamentos, o que torna os habitantes extremamente vulneráveis ​​em caso de contágio.
 
A população vive de atividades tradicionais como pesca, caça e coleta de produtos florestais, mas a sobrevivência também depende de cidades distantes, que constituem uma rede essencial de trocas e comércio.
 
Para reduzir o risco de contágio, os ribeirinhos interromperam os deslocamentos para os centros urbanos, tomando medidas voluntárias de isolamento e permanecendo em suas florestas. No entanto, o isolamento cria um problema de segurança alimentar e de suprimentos: precisam de alimentos e materiais para pescar e caçar, precisam de medicamentos, produtos de higiene e necessidades básicas.
 
A escassez de suprimentos pode comprometer a tentativa de auto-isolamento e pôr em risco uma população inteira de crianças, mulheres grávidas, idosos e pessoas vulneráveis.
 
“Estamos organizando o transporte do necessário para a sobrevivência de todas as famílias da Resex. Mais de 300 famílias já receberam 20 toneladas de suprimentos, mas isso não será suficiente e nossa mobilização continua.”, explica Emanuela.
 
A cidade mais próxima da Resex é Manaus, capital do estado do Amazonas, uma metrópole com o maior índice de contágio e morte na região, onde a pandemia obriga cemitérios a enterros coletivos. Algumas matérias-primas já estão em falta e as organizações envolvidas estão correndo contra o tempo. Para financiar a operação, foi lançada uma campanha de financiamento coletivo e o dinheiro que será arrecadado será inteiramente dedicado ao apoio às famílias da Resex neste momento crítico.
 
Contribuições via cartão de crédito, Google Pay ou Apple Pay aqui
 
Contribuições via Paypal ou Transferência Bancária aqui
 
A campanha é coordenada por Amazônia Onlus e Amazon Charitable Trust, graças à colaboração com Lojas Bemol, ICMBio, Doutores das Águas e com o apoio logístico da CoopXixuaú e dos representantes das comunidades da Resex.

Compartilhe




 

Home

Participe

Notícias
> Newsletters
Quem somos
> Contato
> Missão e visão
> Quem nos apoia
> Imprensa falando de nos
> CoopXixuaú
> Prêmios
Onde estamos
> RESEX Jauaperi
Projetos
> Educação
> Conservação
> Pesquisa científica
> Transporte
> Energia solar e Internet
> Fortalecimento do Ecoturismo Comunitário
> Saude
Ecoturismo
Sala de imprensa
> Imagens
> Vídeos
> Sons