Emanuela Evangelista Oficial da Ordem do Mérito da República Italiana

 

17 de fevereiro de 2020, Palácio Quirinale, Roma. Foi realizada a cerimônia de nomeação do Oficial da Ordem do Mérito da República Italiana para Emanuela Evangelista.

"Por seu compromisso constante, internacionalmente, com a proteção ambiental, a proteção dos povos indígenas e o combate ao desmatamento", essas são as palavras do Presidente da República Sergio Mattarella para Emanuela Evangelista.

Uma cerimônia indubitavelmente tocante, mas também gratificante, para a ativista romana, que veio do Brasil para a Itália especialmente para receber a condecoração. "Estou muito entusiasmada e feliz por estar aqui - disse Emanuela - este título não é apenas meu, mas de toda a associação e dos nativos que estão constantemente envolvidos nesse grande trabalho. Tudo isso nos levará a fazer mais, mas é necessário que a Itália e os italianos tomem consciência da grande responsabilidade que temos na destruição em andamento. Por isso, agradeço ao Presidente Mattarella por sua sensibilidade em identificar a urgência de um tema que requer atenção contínua, não só momentânea, e da qual depende o futuro da humanidade ".

Membro da Comissão de Sobrevivência de Espécies (SSC) da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), Emanuela Evangelista também é presidente da Amazônia Onlus, com sede em Milão, e vice-presidente da associação Trentino Insieme, com sede em Trento.

Na Amazônia desde 2000, Emanuela vive na pequena vila de Xixuaú, nas margens do Rio Jauaperi, no coração da floresta. “Nosso trabalho visa erradicar a pobreza - ela explica - para reduzir a tendência de migração urbana, típica da região. Trabalhamos para oferecer saúde, capacitação, trabalho, renda e desenvolvimento sustentável aos nativos, guardiões indispensáveis ​​da floresta. Os povos indígenas sempre precisaram da floresta para sobreviver, mas hoje a floresta, no cenário atual, precisa de seus habitantes para permanecer em pé".

O papel do Turismo de base comunitária é fundamental, o que, juntamente com a colheita sustentável de frutos da floresta, artesanato e pesquisa científica, constitui uma importante fonte de renda para muitas famílias. Treinamento de técnicos em saúde e agricultura, gestão, liderança, cursos de informática e idiomas, poços artesianos, hortas comunitárias e missões médicas e, além disso, escolas, conexão à Internet, barcos e lanchas para sair do isolamento e iniciar novos atividades. Há também oportunidades de intercâmbio cultural através de viagens para outras regiões da Amazônia e Brasil, mas também para a Europa e África.

Em 2018, essa área de quase 600 mil hectares de floresta tropical protegida, destinada ao uso sustentável das populações tradicionais (cerca de 1000 pessoas distribuídas em 14 comunidades), foi reconhecida como Reserva Extrativista do Baixo Rio Branco e Rio Jauaperi, tornando-se símbolo de preservação ambiental e luta contra o caos climático.

"A Amazônia corre o risco de se tornar uma savana em apenas 15 anos. Meu apelo aos italianos - conclui a bióloga - é agir. Ainda estamos em tempo, mas devemos agir agora. Temos os recursos econômicos e as tecnologias necessárias para reverter o curso e devolver o planeta a uma situação segura. Mas não estamos indo rápido o suficiente. É necessário que cidadãos e todos os consumidores italianos façam pressão”.

 


Compartilhe




 

Home

Participe

Notícias
> Newsletters
Quem somos
> Contato
> Missão e visão
> Quem nos apoia
> Imprensa falando de nos
> CoopXixuaú
> Prêmios
Onde estamos
> RESEX Jauaperi
Projetos
> Educação
> Conservação
> Pesquisa científica
> Transporte
> Energia solar e Internet
> Fortalecimento do Ecoturismo Comunitário
> Saude
Ecoturismo
Sala de imprensa
> Imagens
> Vídeos
> Sons